Tamanho da Letra A A A

Ações e Benefícios

A Rhodiola rosea L. traz inúmeros benefícios à saúde, pois é uma das raras substâncias que estimula o aumento de energia direto da fonte, ou seja, das nossas próprias células.

Assim, a planta foi classificada por pesquisadores russos como um adaptógeno devido a sua capacidade de aumentar a resistência de forma generalizada a uma série de agentes “estressores” químicos, biológicos e físicos, o que corresponde a uma pré-adaptação do organismo para responder às tarefas diárias sem ocasionar transtorno hormonal.

Os mecanismos de ação da Rhodiola rosea L. contribuem para a regulação da resposta hormonal do organismo ao estresse, atuando sobre o eixo hipotálamo-hipófise-adrenal. Outra de suas ações corresponde ao mecanismo protetor que a Rhodiola rosea L. exerce sobre a produção de determinados neurotransmissores, como a serotonina e a dopamina que, por inibição enzimática, apresentam aumento de sua atividade. Estudos apontam um acréscimo de 30% dos níveis de serotonina e aumento do transporte dos precurssores da serotonina (triptofano e 5-hidroxitriptofano) no sistema nervoso central. Essa resposta é oposta à observada normalmente no organismo sob influência de agentes “estressores”, em razão da liberação excessiva de hormônios.

Desta forma, o uso da Rhodiola rosea L. na medicina tradicional, acompanhado de diversos estudos clínicos indicam os benefícios da planta para:

  • Estados de esgotamento, fadiga e astenia com diminuição da concentração e do rendimento físico e mental;
  • Para indivíduos submetidos a regime de exercícios físicos intensos, com o objetivo de minimizar o desgaste e aumentar o rendimento físico;
  • Atua sobre o tônus emocional envolvendo a regulação do humor e da ansiedade;
  • Melhora a performance física, pois ajuda a fortificar os músculos.

Referências Consultadas

BROWN, R.P.; GERBARG, P.L; GRAHAM, B. The Rhodiola Revolution: transform your health with the herbal breakthrough of the 21st century. Rodale Books. 2004, p.4-5.

OHGO, S. et al. Interleukin-1 (IL-1) stimulates the release of corticotropin-releasing factor (CRF) from superfused rat hypothalamo-neurohypophyseal complexes (HNC) independently of the histaminergic mechanism. Brain Res, v.558, p.217-223, 1991.

ROHLOFF, J. Volatiles from rhizomes of Rhodiola rosea L. Phytochemistry, v.59, p.655–661, 2002.

DE LA PUERTA, R. et al. Inhibition of leukocyte 5-lipoxygenase by phenolics from virgin olive oil. Biochem Pharmacol, v.57, p.445-449, 1999.

BROWN, R.P.; GERBARG, P.L.; RAMAZANOV, Z. Rhodiola rosea. A phytomedical overview. HerbalGram, v.56, p.40-52, 2002.

KELLY, G.S. Rhodiola rosea: A possible plant adaptogen. Altern Med Rev, v.6, n.3, p.293-302, 2001.

PANOSSIAN, A.; WIKMAN, G.; SARRIS, J. Rosenroot (Rhodiola rosea): traditional use, chemical composition, pharmacology and clinical efficacy. Phytomedicine, v. 17, p.481-493, 2010.